segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

A NOTICIA DA MORTE DE PORTELA DELAVI


Morre aos 73 anos o coautor de “Para, Pedro”, José Portela Delavi

Delavi tinha diabetes e estava internado no Hospital de Alvorada desde o último domingo

Morreu na tarde de sexta-feira, aos 73 anos, o trovador José Portela Cruz Delavi, parceiro de José Mendes na autoria da música Para, Pedro.Delavi tinha diabetes e estava internado no Hospital de Alvorada desde o último domingo.

Nascido em Triunfo, Delavi foi morar em Alvorada aos 17 anos, município em que foi vereador de 1977 a 1989. A carreira musical começou também aos 17 anos, quando ele participou pela primeira vez do programa Rodeio Curinga, da Farroupilha, comandado por Darci Fagundes e por Dimas Costa, improvisando versos e falando na vida do gaúcho do campo e da cidade. Não demorou a brilhar nos desafios de trova, chegando a vencer 25 programas seguidos.

Um fato ocorrido em Santa Rosa mudaria a vida do trovador. Foi lá que viu um músico cego apresentando-se. Um rapaz tentou assaltá-lo, e o músico gritou “Para, Pedro!”. A expressão virou a música mais conhecida de Delavi, composta em parceria com José Mendes (morto em 1974) e gravada em 1967. “Era um baile lá na Serra, na fazenda da Ramada / Foi por lá que um tal de Pedro se chegou de madrugada / Só escutei um zunzum, mas não sabia de nada / Só ouvia mulher gritando: ‘Este Pedro é uma parada’”, diz um trecho da letra, que culmina no conhecido refrão: “Para, Pedro, Pedro, para”.

O bom humor sempre esteve presente no trabalho de Delavi. Em poemas, também investia na comicidade, como neste em que fala do trabalho do trovador: “Nunca pode ser nervoso, nem ter sangue meio quente / Que às vezes o concorrente é frio, é fraco e é urso / Então, perdendo o recurso, se lembra da mãe da gente”.

A composição virou sucesso no país graças ao apresentador Flávio Cavalcanti, que criticou a música em seu programa. O resultado da crítica foi a venda de 6 mil discos só no Rio de Janeiro. Depois, a canção foi regravada por Sérgio Reis, entre outros artistas, e até virou filme. Com o sucesso, Delavi passou a conviver com feras da música regional, como Teixeirinha.
Anos depois de atingir o sucesso, Delavi se aposentou como motorista, mas seguiu no ramo musical até ser abalado pela doença. Atualmente, morava em um rancho no Parque São Caetano, em Alvorada.

Comentar esta matériaCOMENTÁRIOS (2)

Solange Zomer

Nenhum comentário:

Postar um comentário